O futuro da loja física

O Covid-19 chegou para mudar não só a nossa percepção do que é viver em sociedade, mas também como as empresas, em especial as ligadas ao varejo físico, devem se comportar daqui para frente diante dos desafios que já eram presentes, mas que se potencializaram com essa nova dinâmica.

Com a realidade do “fique em casa”, os consumidores se abriram para o comércio digital de uma vez por todas, passando a consumir diferentes categorias de produtos que, até pouco tempo, tinham apenas o hábito de comprar presencialmente, a exemplo dos alimentos frescos.

“Diante dessas mudanças, o varejo físico, que já se encontrava em uma realidade desafiadora, agora precisa tomar decisões rápidas e importantes para garantir que a dinâmica do comportamento de compra digital não cause mais perdas para as lojas a médio e longo prazo”, analisa André Romero, diretor da Allis Comunicação . “Por isso, planos e metas devem ser desenvolvidos urgentemente para a evolução da experiência de compra no PDV físico”, recomenda, lembrando que a iniciativa é um meio de sobrevivência neste momento e no pós-pandemia.

Especialista em construção de marcas no PDV e mestre em varejo e mercado de consumo, Romero revela 11 ações que podem ser adotadas a partir de agora na sua rede:

1. Coloque o shopper no centro de suas decisões e entenda como promover um ambiente de compra dentro das expectativas dele;

2.  Desenvolva ações para trazer maior comodidade e prazer no ato da compra;

3. Entenda qual é a jornada de compra do shopper na sua loja e, assim, trabalhe melhor a exposição dos produtos;

4. Saiba se comunicar melhor com ele na gôndola, promovendo um melhor entendimento dos diferenciais dos produtos, facilitando o famoso paradigma da escolha. Lembre-se: comunicação no PDV é totalmente diferente da comunicação feita para o consumidor nas mídias tradicionais;

5. Para melhorar a execução do merchandising, utilize tecnologias disponíveis no mercado para a coleta de dados do PDV ;

6. Tenha o promotor de vendas como um forte aliado para a execução dessas tarefas. Hoje existem soluções, como a ‘uberização’ do promotor , que permitem ter um profissional exclusivo por demanda e em qualquer lugar do Brasil, de acordo com as normas trabalhistas, tornando o custo de servir do promotor mais atrativo e garantindo uma melhor execução da sua marca no ponto de venda;

7. Crie uma relação próxima entre indústria e varejo. Ambos os lados possuem desafios que, se trabalhados em conjunto, trarão soluções bem interessantes. Desenvolvam um calendário promocional anual e tentem unir, por meio dessas ações, os canais físicos e digitais;

8. Persista no conceito omnichannel, por mais desafiador que seja, não existe um outro caminho para sua marca;

9. Procure não vender preço, mas valor;

10. Tenha uma causa verdadeiramente social e entregue para a população muito mais do que serviços ou produtos;

11. Entenda e aplique o conceito “fisital”, a união no universo físico com o digital, como a possibilidade do cliente comprar via web e retirar na loja.

“Os desafios do varejo físico são sim muito grandes, mas ao mesmo tempo, há diversas ações que ainda estão sendo pouco executadas e inexploradas, caminhos que, sem dúvida, ajudarão na permanência do varejo físico como principal canal de distribuição de produtos na fase pós-pandemia”, finaliza André Romero, da Allis.

 

Fonte: Portal S.A Varejo

MAIS DA estrutura mensagem principal
  • Como gerenciar negócios via WhatsApp

    Continue lendo Clique e leia
  • A importância do certificado digital

    Continue lendo Clique e leia
  • Atenção para o consumidor millennial

    Continue lendo Clique e leia
  • Celular com impulso para novos negócios

    Continue lendo Clique e leia
  • Cinco tendências de consumo para o fim do ano

    Continue lendo Clique e leia
  • 🎧Varejo em Pauta – Novembro Azul

    Continue lendo Clique e leia
Veja mais